Carregando…

A Praça Sete de Setembro, comumente chamada Praça Sete, é a praça mais movimentada da cidade de Belo Horizonte, marco zero do seu hipercentro. Está localizada no cruzamento de duas grandes avenidas, a Afonso Pena e a Amazonas, e é entrecortada pelas ruas Rio de Janeiro e Carijós. Em termos de tráfego de veículos, compete em importância com a Praça Raul Soares e a Praça da Liberdade, na prática, as três mais importantes da cidade. O fluxo de pessoas que passam pela Praça Sete é, no entanto, consideravelmente maior.

Ostenta em seu centro um obelisco doado pelo povo da vizinha Capela Nova do Betim, hoje município de Betim, aos habitantes da capital mineira, por ocasião da comemoração do Centenário da Independência do Brasil, em 7 de setembro de 1822. O “Pirulito”, como é conhecido, é feito de granito e formado por uma agulha de 7 m apoiada sobre um pedestal quadrangular adornado por um poste em cada um de seus vértices. Foi desenhado pelo arquiteto Antônio Rego e construído pelo engenheiro Antônio Gonçalves Gravatá, proprietário da pedreira em Betim de onde foram extraídas as pedras utilizadas na construção do marco.

O nome originalmente escolhido para o local foi Praça 14 de Outubro, data referente à criação da Comissão de Estudos das Localidades Indicadas para a Nova Capital. Outros relatam o nome como Praça 12 de Outubro, referência à data da descoberta da América por Cristóvão Colombo em 1492.

Em 1922, seu nome foi alterado para Praça Sete de Setembro, nas comemorações do centenário da Independência do Brasil. Embora a pedra fundamental do “Pirulito”, como é chamado pela população, tenha sido lançada naquele ano, o monumento só foi inaugurado no local dois anos depois, em 7 de setembro de 1924.O obelisco foi transferido para a Praça da Savassi no meio das reformas da praça em 1963, retornando à Praça Sete em 1980, onde permanece até hoje. (Fonte: Wikipédia)

Local

Endereço:

Praça Garibalde, s/n - Centro, Belo Horizonte - MG,

Informações do item

Data:

1938

Gênero:

Fotografia

Cromia:

Preto e Branco

Créditos:

Arquivo Estado de Minas



Tem alguma informação que possa complementar o item cadastrado?
Por favor, deixe nos comentários!